sábado, 23 de setembro de 2017

Acreditando



Tenho prometido a mim  mesma que vou sempre esforçar-me mais, tentar dar sempre mais de mim, não me ficar pelo talvez.
Estou de volta completamente às minhas rotinas e há minha luta por uma vida mais saudável. Muitas vezes precisamos de certezas absolutas, de saber qual é exactamente a nossa situação e a partir daqui seguir em frente, mas não é assim tão linear. As certezas absolutas não existem e temos que aprender a viver com isso.
Ás vezes dou comigo a pensar nestas mudanças que vão acontecendo na nossa vida, connosco, com o nosso filho, nos nossos trabalhos e nas nossas relações com os outros, e chego à conclusão de que nós muitas vezes temos as "armas" e instrumentos para lutar e tentar ultrapassar as nossas dificuldades, as nossas dúvidas e os nossos medos... o complicado é perceber que tantas vezes a resposta está dentro de nós.
O segredo é acreditar. Sempre.

sexta-feira, 22 de setembro de 2017

Alma gemea



Acredito que todos temos uma alma gémea.
Muitos de nós ainda a procura, outros têm a sorte de já a ter encontrado e outros ainda provavelmente nunca a encontrarão. Mas ela existe, a vida é que pode (talvez pelas escolhas que fazemos) não a colocar no nosso caminho.
As almas gémeas conhecem-se na forma igual como vêm as coisas, como completam as frases que o outro diz, como pensam da mesma maneira, como riem das mesmas piadas e como se completam tão naturalmente.
As almas gémeas identificam-se quando gostam das mesmas coisas, quando ouvem o mesmo tipo de musica, quando gostam do mesmo tipo de comida.  Quando não precisam de palavras para falar, quando não precisam de dizer piadas para se rirem.
As almas gémeas compreendem-se e respeitam-se, mesmo dentro das suas diferenças, são compreensivos e cúmplices em tudo.
E é tão bom  quando olhas para o lado e vês que é isso que tens, que tu tens a tua alma gémea e que no dia a dia tudo o que fazemos é nosso e para nós!

Porque hoje é sexta feira


quinta-feira, 21 de setembro de 2017

O peso na menstruação



Fico desiludida quando me vou pesar, como hoje e vejo que o meu peso continua exactamente igual ao que tinha antes de começar a  fazer ginástica.
A verdade é que fico desiludida porque sei que emagreci, noto na roupa e noto no meu volume corporal. Também já me tinha pesado a semana passada e visto que efectivamente tinha emagrecido.
Então o que se passa? Voltei a engordar?
Depois de pensar um pouco nisso percebi o que é. Na semana antes de me vir o período o meu peso oscila sempre.  
 É realmente um problema muito comum o aumento de peso durante a menstruação. É normal ficarmos inchadas e a balança pode aumentar até 2kgs durante a menstruação.   O problema aqui é que como estamos mais sensíveis nesta fase, achamos sempre que todo o trabalho tem sido em vão e que já engordamos de novo.
Eu sei que passo por isso todos os meses,  já que fico muito inchada na barriga no período menstrual, mas aos poucos fui percebendo que isso era comum e que dias após a menstruação tudo volta ao normal.
Fica a dica: pesar somente após 4 dias que a menstruação acabou pois assim o corpo já voltou ao normal e a balança vai –nos informar certinho do nosso peso real.

terça-feira, 19 de setembro de 2017

Cérebro esse teimoso



É curioso como agora que iniciei a ginástica o corpo dá de si.
Doem-me os músculos, das pernas e braços e durante o treino muitas vezes dou comigo a tremer.
Alguém como eu que já não praticava actividade física há imensos anos, é considerado um sedentário.
Bem, numa pessoa sedentário, o nosso cérebro habitua-se de tal maneira que tende a manter o estado chamado de homeostase (repouso) de uma forma mais eficiente que o de um praticante de actividade física já que em todos estes anos ele ( o cérebro ) raramente foi submetido à uma situação de stress físico de considerável intensidade. Quando nós, o seu (do cérebro) proprietário resolvemos cometer a “infelicidade” de iniciar uma actividade física e começar a fazer ginástica, o pobrezinho entra em parafuso. A ginástica transmite informações com as quais ele nunca se deparou e como resultado ele promove um movimento desordenado a nível motor, tentando assim, estabilizar ou até mesmo parar o movimento que tanto esta a incomodar o seu habitual repouso.
Mas não pára por aí. Como ele (o cérebro) percebe que aquele stress não vai acabar e o teimoso do seu dono continua com a ginástica, ele inicia um processo de sincronização motora.
Como tudo é novidade, à medida que chegam as informações para serem processadas de que “o dono esta a exercitar-se e não vai parar” o cérebro vai mandando ordens para diferentes partes do corpo para que as mesmas recrutem diferentes grupos musculares na tentativa de tornar o movimento que está sendo executado menos traumático.
O que acontece com o tempo e ao não desistirmos, é que nessas tentativas o cérebro  através de erros e acertos, acabará por nos proporcionar uma melhor ordenação motora.
Ainda não estou nessa fase................